quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Mobilizações da Campanha Salarial barram reforma trabalhista e avanço da terceirização em fábricas químicas

imageTrabalhadores (as) da categoria dão exemplo de luta para manter direitos

A última Campanha Salarial da categoria química foi a mais importante dos últimos anos. Nós conseguimos preservar a Convenção Coletiva com o conjunto mínimo de direitos para toda a categoria e impedimos mais uma vez a imposição do banco de horas e outros pontos.

Com a aprovação da terceirização irrestrita e a reforma trabalhista pelo corrupto governo Temer, o ponto principal da Campanha Salarial foi a manutenção dos direitos trabalhistas. Esta luta foi travada juntamente com as questões específicas por fábrica. Onde houve mobilização e greve, nós conseguimos garantir Acordos Coletivos que barraram a aplicação da reforma trabalhista, a terceirização e conquistamos benefícios específicos.

Para se constatar a importância da luta contra a reforma trabalhista e a terceirização, é só olhar os números do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério do Trabalho. Esses ataques aos direitos dos trabalhadores já estão causando o aumento das demissões de “comum acordo”, quando o trabalhador é obrigado a abrir mão de parte das verbas rescisórias, e o aumento das contratações no chamado regime de “jornada intermitente”, que é a legalização do bico (trabalho esporádico de baixíssima remuneração sem garantias trabalhistas).

Por isso, a luta dos trabalhadores na última Campanha Salarial teve ainda mais importância. Foram estas mobilizações e greves em seis empresas que garantiram a não aplicação da reforma trabalhista e da terceirização na atividade-fim, além de manter a proibição do banco de horas, na Johnson, na TI Brasil, na IPA, na FLC, na Pelzer, na Plastic Omnium, na Tarkett etc.

A categoria química da região é uma das poucas em todo o país que conseguiu na luta barrar estes ataques aos direitos dos trabalhadores e é exemplo para o país. Enquanto as centrais sindicais pelegas estavam negociando a participação ou não nas Greves Gerais, na ocupação de Brasília, nos atos, panfletagens, assembleias de fábricas, os trabalhadores químicos estavam de braços cruzados respondendo ao chamado da classe trabalhadora com greves em várias multinacionais e participação em todas as lutas conjuntas do último período contra as reformas trabalhista e da previdência do governo Temer e também na Campanha Salarial.

Aqui tem muita luta! Aqui não se negocia direitos do povo com governo corrupto ou se arrega para patrão. Seja nas Greves Gerais e nas mobilizações conjuntas da classe trabalhadora ou na resistência na Campanha Salarial, a categoria química da região é exemplo de luta e conquistas!

E 2018 será mais um ano de enfrentamentos. A categoria química se mantém na luta! Por uma nova e forte Greve Geral contra a reforma da Previdência!

|Leia mais matérias da edição 275 do Boca no trombone aqui|

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

19 de Fevereiro: Vamos parar o país em defesa da aposentadoria

image

Torneio de Futebol dos Químicos 2018

image

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

As conquistas dos trabalhadores em 2017

image

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Temer mente e compra mídia para defender a reforma da Previdência

imageSilvio Santos e toda a grande mídia recebem dinheiro público apara atacar a aposentadoria

O governo Temer (PMDB) e sua base de apoio no Congresso estão gastando milhões do dinheiro público para veicular propagandas mentirosas a favor da reforma da previdência na mídia. Temer foi até nos programas vexatórios do Ratinho e de Silvio Santos para defender o ataque ao direito do trabalhador se aposentar.

Quem quer dinheiro do povo? Silvio Santos quer, e não é pouco! O SBT recebeu mais de R$ 15 milhões para veicular propaganda do governo federal só em 2017. A informação é do sistema de Execução Contratual de Publicidade da Secretaria de Comunicação da Presidência. Não foi à toa que Silvio Santos teve a cara de pau de servir de garoto propaganda de Temer.

Silvio Santos já havia feito a mesma coisa em propaganda governamental com a então ministra Zélia Cardoso quando o governo Collor confiscou a poupança de milhões de brasileiros. Silvio Santos simplesmente ignorou a ruina de trabalhadores que haviam acabado de se aposentar e tinham todo o dinheiro na poupança.

O perverso e corrupto Michell Temer liberou R$ 30 bilhões em emendas parlamentares para “comprar” o voto de parlamentares e ainda fez mais: Temer soltou uma lista com o nome de 90 deputados “indecisos” para o mercado pressionar e ajudar a “comprar”. O mercado é o maior interessado na destruição da Previdência pública para lucrar vendendo a previdência privada.

Este mercado já agiu por meio da criminosa agência de especulação financeira Standard & Poor´s. A agência criou terrorismo financeiro para o governo usar a avaliação de crédito da dívida pública para aprovar mais este ataque ao povo trabalhador.

Temer também condicionou a liberação de recursos da Caixa a governadores que fizessem pressão para que os deputados federais aprovem a reforma.

As propagandas mentirosas do governo falam em “cortar privilégios” quando deputados, senadores, ministros, governadores se aposentam com oito anos de mandato, como foi o caso do Tiririca, que fez discurso apoteótico ao anunciar que não vai concorrer a outra reeleição, sendo que nem precisa mesmo porque já ganhou a aposentadoria parlamentar só com dois mandatos. Vai trabalhar pra quê? Aliás, em tudo o que votou, foi contra os trabalhadores.

A CPI da Previdência no Senado, boicotada pelo governo e pela mídia, já comprovou: a Previdência é superavitária. O que o governo quer é destruir o mínimo estado de bem-estar social do povo brasileiro e entregar a chave do cofre de vez para o mercado.

É isso o que temos que impedir! Não à reforma da Previdência! Fora Temer!

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Avanço na FLC, em Caçapava–Trabalhador mobilizado conquista!

A empresa efetuou o pagamento do convênio médico na última sexta-feira, 26. Os trabalhadores estavam em Estado de Greve para exigir o cumprimento deste direito dos companheiros desde terça-feira, 23. Também conquistamos mais seis meses de estabilidade.

Vitória dos trabalhadores, que estão de parabéns pela união e mobilização nas assembleias!

image

image

Gerdau ataca liberdade sindical

imageA empresa da bilionária família Gerdau demitiu arbitrariamente o dirigente sindical Anderson Aparecido Pereira da Silva, o Guri, do Sindicato dos Metalúrgicos. A demissão é uma afronta a livre-organização dos trabalhadores e ilegal, já que o companheiro tem a estabilidade da direção sindical para defender os direitos dos trabalhadores.

Jorge Gerdau, um dos 50 homens mais ricos do mundo, tem histórico de perseguição a dirigentes sindicais. Em agosto de 2017, a Gerdau teve que afastar André Gerdau Johannpeter, então diretor-presidente do grupo siderúrgico, e filho do fundador do grupo, Jorge Gerdau, por envolvimento nas investigações de corrupção da Operacão Zelotes da Polícia Federal. Outros membros da família também foram afastados de cargos de comando.

É esta empresa que, em 2014, já tentou impedir Anderson Aparecido de participar da eleição da CIPA. O dirigente sindical está no 1º ano de mandato e agora luta com o Sindicato dos Metalúrgicos para a sua reintegração.

Toda a nossa solidariedade ao companheiro. A luta deste dirigente é a mesma de tantos outros dirigentes sindicais e cipeiros perseguidos por defenderem os direitos dos trabalhadores.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Disponível em nosso site a Convenção Coletiva de Trabalho: 2017/2018

imageA Convenção Coletiva de Trabalho: 2017/2018 já está disponível em nosso site.

Faça a cópia e tenha sempre em mãos seus direitos garantidos na campanha salarial!

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Estado de Greve na FLC, em Caçapava

A direção do Sindicato dos Químicos realizou assembleia conjunta na FLC com os trabalhadores do 1º turno e do horário administrativo na manhã de hoje, 26. Os companheiros deliberaram a manutenção do Estado de Greve e prazo para a empresa até segunda-feira para a quitação a questão do atraso do pagamento do convênio médico dos trabalhadores e trabalhadoras. Firmes na luta pelos direitos!

image

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Assembleia na FLC vota Estado de Greve

A direção do Sindicato dos Químicos esteve na FLC, hoje, 23, para discutir com os trabalhadores a questão da falta de pagamento do convênio médicos dos companheiros por parte da empresa. Há trabalhadores que tiveram que arcar com os custos do convênio no último mês porque precisaram usar o convênio. Os trabalhadores votaram Estado de Greve. O Sindicato discutiu com a empresa, que ficou de acertar o pagamento do convênio até quinta-feira, 25. Caso contrário, será Greve por tempo indeterminado a partir desta data. O convênio é um direito dos trabalhadores!

Notícias anteriores